Ciclovia sobre costão rochoso é o novo cartão postal do Rio

A prefeitura do Rio de Janeiro inaugurou no último domingo (17) ciclovia que liga os bairros de Leblon e São Conrado, na zona sul. Depois de executar projeto desafiador, que permitiu construir um trecho de 2 quilômetros com estrutura de concreto sobre costão rochoso margeado pela avenida Niemeyer.

No total, a ciclovia tem 3,9 quilômetros e já é considerada uma das mais bonitas do mundo e novo cartão postal da cidade. O Rio conta atualmente com 435 quilômetros de malha cicloviária e deverá chegar a 450 quilômetros até os Jogos Olímpicos deste ano, segundo pretende a prefeitura.

Os moradores da cidade comemoraram a inauguração da ciclovia neste domingo. “O Rio saberá reconhecer a importância deste novo canal viário de trânsito para permitir o deslocamento de pessoas em suas bicicletas a lazer ou a trabalho”, disse um internauta no Facebook.

O trecho inaugurado hoje faz parte do projeto chamado Complexo Viário Tim Maia. “Em breve estaremos inaugurando também o trecho da ciclovia do Joá, que liga São Conrado à Barra e daí teremos toda a orla do Rio com ciclovia. É só ter perna para pedalar”, comemorou outro internauta.

A construção da ciclovia inaugurada hoje levou um ano e meio, ao custo de R$ 44,7 milhões. A prefeitura espera que a via receba 70 mil pessoas por dia. Quando o projeto foi apresentado, algumas críticas foram feitas por arquitetos porque a ciclovia dificultaria a visão do mar por motoristas.

Fonte: Rede Brasil Atual

Praça radical

Localizado no coração da Zona Norte, o Parque Madureira, em breve, vai se tornar o maior espaço de lazer e para a prática de esportes da cidade que sediará os Jogos Olímpicos. Atualmente, com 103,5 mil metros quadrados de área construída, a instalação conta com locais para basquete, futebol, skate e corrida, entre outros.

Além da área esportiva, o parque tem um palco para shows. E, na mais recente expansão, passou a ter uma praia artificial com cascatas.

Se já não bastasse toda a oferta de esportes e lazer, o parque ainda ganhou mais uma atração: a instalação dos arcos olímpicos, símbolo dos Jogos. Mesmo sem receber nenhuma modalidade olímpica em 2016, o Parque Madureira já foi posto à prova e sediou duas edições do Mundial de Skate Bowl, em 2014 e 2015, ambas vencidas pelo brasileiro Pedro Barros, o Pedrinho. O skatista encheu a estrutura do parque carioca de elogios.

“É sensacional, tem uma estrutura de primeiro mundo. Melhor do que a maioria das pistas do circuito internacional”, afirmou Pedrinho.

 

Local para ver os Jogos

Durante a Olimpíada, o Parque Madureira será uma das principais praças para os espectadores que não conseguirem ingressos para as provas. O local contará com telões que exibirão alguns eventos durante os Jogos. E o melhor de tudo: não haverá cobrança de ingressos. O torcedor carioca poderá acompanhar tudo de graça.

Apesar de toda a grandiosidade atual, o parque conta com planos ambiciosos de expansão para o futuro. O projeto prevê a ampliação do espaço físico para 450 mil metros quadrados e contará com espaços para a prática do BMX, de patins e skate para iniciantes. Além disso, será construído um centro de treinamento e formação de tenistas.

Fonte: Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário