Rio ganha nova atração: o Museu do Amanhã

Muito além da forma arquitetônica, uma ideia de magnitude emana do Museu do Amanhã. O traço inusitado, o predomínio do branco, a elevação sobre a Baía de Guanabara e o bailado da cobertura seguindo o Sol levam os visitantes curiosos a cruzar a Praça Mauá em um ritmo imantado. De longe ou de perto, o prédio lembra uma nave viva. Aletas se movem no topo, bombas de sucção renovam a água da Baía, e até um sistema de inteligência artificial interage com os frequentadores. É a Íris, uma espécie de guia interativa do museu. Ela acompanha a visita, guarda as informações que foram exibidas para cada pessoa e avisa o que foi atualizado desde então.

O museu é também um convite a uma viagem nada convencional, que parte da criação do Universo rumo ao futuro da Humanidade. Um globo suspenso no átrio de entrada reproduz um mapa-múndi digital e lança questões sobre o que pode ser esse museu, que pendura uma esfera de LED com informações sobre correntes marítimas e massas de ar sobre a cabeça de seus visitantes. A resposta não é simples – e será única para cada pessoa que percorrer os cinco ambientes da visitação principal, no segundo andar do prédio.

Fonte: Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário

80% das obras de mobilidade urbana no Rio foram concluídas

A menos de 250 dias para a Olimpíadas, as obras de mobilidade urbana da prefeitura atingiram o percentual de 80% de execução, segundo a Secretaria Municipal de Obras (SMO). A ampliação do Novo Joá, o Lote Zero do BRT Transoeste (Alvorada – Jardim Oceânico) e a Transolímpica entram nas fases finais, como pavimentações, acabamento e iluminação, neste mês e serão entregues no primeiro semestre de 2016.

“São obras que começaram em 2012 e demoraram cerca de quatro anos para serem concluídas. Vão reestruturar todo o sistema de mobilidade da cidade do Rio”, explica o secretário Municipal de Obras, Alexandre Pinto.

A Transolímpica será um sistema BRT, com 25 quilômetros e uma via expressa para carros, do Recreio dos Bandeirantes a Dedoro, ligando dois parques olímpicos. “Estamos finalizando o viaduto na região de Curicica. Está quase tudo pronto, estamos focado na pavimentação agora”, explicou o secretário sobre o estágio atual das obras.

Alexandre Pinto disse que ainda não sabe qual dos dois BRTS, Transolímpica ou Lote Zero do Transoeste, será inaugurado primeiro, mas garantiu que ambos serão finalizados impreterivelmente no primeiro semestre de 2016.

Entre as obras viárias, o secretário afirma que estão sendo concluídas a nova ponte da Joatinga e a colocação das estruturas da ciclovia do Elevado do Joá. A ampliação do Joá aumentará, segundo ele, em 35% a capacidade de circulação entre as zonas Sul e Oeste, com duas novas faixas de rolamento que estão sendo construídas, com extensão de 5 quilômetros.

Fonte: ADEMI

Aquário do Rio recebe os seus primeiros ‘moradores’

“Cousteau já dizia que você só preserva aquilo que conhece”. Idealizador e diretor-presidente do Aquário Marinho do Rio (AquaRio), o biólogo Marcelo Szpilman cita a frase do lendário explorador e oceanógrafo francês Jacques Cousteau para chamar a atenção sobre a importância dos animais que vão povoar a futura atração carioca, que deve ser inaugurada até julho de 2016. Os primeiros moradores desse mundo submerso já começaram a chegar. Após duas expedições de pesca no arquipélago das Cagarras e em Itaipuaçu, em Maricá, nove peixes de cinco espécies foram postos em quarentena para, depois, irem para o aquário.

Entre as espécies que já chegaram, estão duas raias-prego, dois xereletes, dois jaguareçás, duas marias-da-toca e uma pirajica. Apaixonado por tubarões, Szpilman afirma que a espécie, uma das mais esperadas do aquário, só chegará entre março e abril:

– No momento, estamos testando a pesca, o transporte, o manuseio e a própria quarentena. Quando fazemos uma introdução de animais, começamos primeiro pelos menores, aumentando o tamanho, até os últimos. Os tubarões, como estão no topo de cadeia, normalmente, deixamos para o final.

 

ÁGUA SERÁ REAPROVEITADA

Responsável pelas obras, Roberto Kreimer diz que serão utilizados 69 filtros e 74 bombas para garantir a vida marinha dentro dos tanques.

– A água tem que se tornar clara e cristalina, como a imagem de uma televisão de LED. Ao mesmo tempo, precisa de propriedades químicas para ter vida. A preocupação com a sustentabilidade do aquário foi enorme. Toda a água é filtrada e reaproveitada – explica.

Diretor de operações do AquaRio, Fernando Duarte estima que as obras custarão cerca de R$ 100 milhões. O Grupo Cataratas, que opera parques como o de Foz do Iguaçu, a empresa de transporte Bel-Tour e a Esfeco, dos trens do Corcovado, são os financiadores. “ O custo total de operação vai girar em torno de R$ 30 milhões anuais. De visitantes, esperamos 800 mil por ano” – diz. Szpilman já planeja a próxima pescaria para a segunda quinzena de dezembro.

 

Fonte ADEMI